TRENDING NEWS

recent

Sepultura - "Machine Messiah" Review









1. Machine Messiah
2. I Am the Enemy
3. Phantom Self
4. Alethea
5. Iceberg Dances
6. Sworn Oath
7. Resistant Parasites
8. Silent Violence
9. Vandals Nest
10. Cyber God
Duração 46:05


Wow! É o que temos a dizer compulsivamente conforme ouvimos "Machine Messiah" mais uma vez, após umas boas doses cavalares do novo álbum dos Sepultura. Já fomos muito críticos dos trabalhos da banda com Derrick Green, não apontando responsabilidades directamente ao vocalista mas principalmente pela lacuna de uma segunda guitarra no que diz respeito às actuações ao vivo e principalmente por não conseguirem apresentar um álbum forte e/ou músicas memoráveis. "Against" consegue suster-se mas a partir daí foi um cair sem fim em tendências que nunca iriam perdurar e músicas sem impacto digno da história da banda brasileira. Globalmente existiram bons breves momentos. "Roorback" foi um trabalho que recuperou parte do que se tinha perdido com "Nation". "Dante XXI" e "A-Lex" oferecem conceitos interessantes que infelizmente a música não acompanha, mas é com "Kairos" e "The Mediator Between Head And Hands Must Be The Heart" que se começa a recuperar esperança.

Os dois álbuns conseguiram apresentar a banda com um espírito renovado e apostada em recuperar o tempo perdido. Não foram álbuns perfeitos mas foram sem dúvida dos trabalhos mais fortes que a banda lançou desde "Against", ou ainda superior, já que "Against" veio muito com a carga de "Roots" e da saída de Max. Essa carga aqui não existe mais e "Machine Messiah" é um grande álbum, um dos melhores da carreira da banda (sim, fase com Max Cavalera incluída) precisamente por não se parecer nada com aquilo que a banda já fez antes. Nada tão desafiador, tão complexo, tão... bom. Mesmo bom. E, como já devem ter reparado por aquilo que disse no início desta iniciativa, não é propriamente um impacto. É o impacto de ouvir muitas vezes, e de saber que vou ouvir muitas mais vezes no futuro.

Desde o espantoso tema-título que abre o álbum, passando pela impressionante "Phantom Self" e a forma como usam elementos estranhos ao metal mas que resultam de forma perfeita até à desfecho com a intensa "Cyber God". E é por esta altura que verificamos que a banda está bem mais progressiva do que alguma vez teve, sem medo de ir por caminhos novos e não propriamente pelos caminhos da World Music que é o que já todos esperam desde "Roots" e que a banda de vez em quando entrega, não deixando de ter aqui e ali as pitadas de sonoridades mais exóticas como na já citada "Phantom Self" ou na instrumental "Iceberg Dances" que é outro dos grandes temas do álbum.

Não é um trabalho perfeito (poucos são) mas sem dúvida que é um dos álbuns mais fortes da banda, onde consegue juntar finalmente um conceito sólido com música de igual qualidade. Embora toda a banda seja de creditar pelo excelente trabalho, teremos que destacar a obra de Andreas Kisser nas guitarras, que está finalmente a materializar todo o seu potencial demonstrado em mais de trinta anos de carreira. Um grande álbum e sem dúvida um dos melhores anos. Considerando que estamos em Janeiro, é dizer muito acerca de "Machine Messiah".

Nota 9.7/10

Support World Of Metal




Related Posts

Review

Sem comentários:

Enviar um comentário

Imagem
World Of Metal
World Of Metal - Zine, Radio and TV - Support Us On Patreon!

World Of Metal - Zine, Rádio e TV - Apoie-nos no Patreon!

random
World Of Metal. Com tecnologia do Blogger.